quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Comidinha


Brincar com comida não é novidade, a gente faz isso desde pequeno. Derrama o mingau por todos os lados e, quando crescemos, tentamos criar alguma escultura fazendo bolinhos de arroz, esculpindo uma batata. Não dá em nada, e aí perdemos o apetite. Aliás, brincar com a comida já é sinal de falta de apetite, não? Quem tem fome não tem tempo para essas frescurinhas. Enfeitar pratos para apetecer quem vê também não é novidade. Mas a
food art é uma atividade relativamente nova. Já não é mais uma simples brincadeira, nem uma isca para clientes. O conceito de usar todo tipo de alimento da forma mais inventiva e livre possível realmente cria uma categoria de arte em outra plataforma. É necessária muita técnica para, por exemplo, criar uma forma, uma expressão em um pão, sem que sobrem só farelos, ou então, com os farelos criar outra peça de food art.



Lembram-se dos tomates assassinos? Mas isso é uma maçã.





Esse me deu medo. Parece o rosto de algum maníaco. Podia muito bem estrelar algum filme da série "Jogos Mortais" substituindo o Billy. Para as mentes mais maldosas também é possível enxergar um pênis acompanhado de seus respectivos pentelhos.

E a minha própria food art, é, bem fodida, eu sei.


2 comentários:

Bruna Rasmussen disse...

hahah adoro essas comidinhas genéticamente modificadas. aposto que fazem a festa dentro do seu estômago. :)

Janine disse...

UHUIEHIUHEUIEHUIE
ainda é um feto, tenha calma :)